História do Piauí

 

Estudos arqueológicos indicam que o território do atual Estado do Piauí é habitado há muitos milhares de anos. No século 16, o Piauí era habitado por nações indígenas como os tremembés e tabajaras, entre outras.

A colonização portuguesa começou no século 17, quando foram enviadas algumas expedições à região. Segundo Rocha Pitta, os sítios do Piauí tomaram o nome de um rio "que por pobre o não devia ter para o dar, pois corre só havendo chuvas, e no verão fica cortado em vários poços".

A partir dos anos 1660, estabeleceram-se colonos vindos principalmente da Bahia e de Pernambuco, especialmente para a criação de gado.

O paulista Domingos Jorge Velho também explorou a região com índios escravizados. Os colonos envolveram-se em lutas contra grupos indígenas, pela disputa da terra.

Em 1674, o português Domingos Affonso Mafrense radicou-se no Piauí, com outros colonos e índios escravizados. O capitão Mafrense viveu na Bahia e já tinha uma fazenda de gado em Pernambuco. Tornou-se um grande proprietário de terras no Piauí, desenvolvendo atividades de pecuária e agricultura. Com a sua morte, os jesuítas herdaram suas fazendas e continuaram a desenvolvê-las.

Pitta relata a abundância de pastos dessas terras, para todo gênero de gado, e que já existiam, na época (ca. 1724), quase 400 fazendas de gado de larga extensão.

Com a colonização, surgiram povoados. Um deles tinha o nome de Mocha, onde existia uma capela da Freguesia de Cabrobó, da Diocese de Olinda. Mocha (futura Oeiras) foi elevada à categoria de vila, por carta régia de 30-06-1712, e instalada em 26-12-1717.

De acordo com Pitta, o Piauí já era uma capitania por volta de 1724, quando o autor escreveu sua Historia da America Portugueza (alguns autores datam o estabelecimento dessa capitania em 1758). Ele cita que a Capitania possuía capitão-mor, ordenanças e uma vila (Mocha) fundada por Vicente Leite Ripado, ouvidor do Maranhão. Essa vila tinha a invocação de Nossa Senhora da Vitória e o título de Mocha. A capitania do Piauí, estava subordinada ao Estado do Maranhão e Grão-Pará. Antes da fundação da Capitania, as terras do Piauí estavam subordinadas administrativamente a Pernambuco. Entretanto, o Piauí continuava subordinado juridicamente à Relação da Bahia e as igrejas, subordinadas à Diocese de Olinda (esta, por sua vez, sufragânea da Arquidiocese de São Salvador da Bahia).

Em 19 de junho de 1761, a Vila de Mocha foi elevada à condição de cidade. Pelo ato de 13 de novembro, do mesmo ano, a cidade passou a se chamar Oeiras, em homenagem ao Conde, futuro Marquês de Pombal.

Em 1772, o Estado do Grão-Pará e Maranhão foi desmembrado em dois: o Estado do Grão Pará e Rio Negro, com capital em Belém, e o Estado do Maranhão e Piauí, com capital em São Luís. Essa separação foi efetivada em 9 de julho de 1774.

Em 10 de outubro 1811, a carta régia de D. João separou a Capitania do Piauí da administração do Maranhão.

Durante a Guerra da Independência do Brasil, houve conflitos também no Piauí. Em 19 de outubro de 1822, os parnaibanos, liderados por Simplício Dias da Silva, declararam o Piauí independente de Portugal, mas leal ao Príncipe Regente. O movimento foi sufocado pelo major João José da Cunha Fidié, o Governador das Armas do Piauí. As forças parnaibanas fugiram para o Ceará.

Em 24 de janeiro de 1823, com Fidié ausente, o brigadeiro Manoel de Sousa Martins, tomou o poder, em Oeiras, e anunciou a adesão do Piauí ao Imperador D. Pedro I.

Em 13 de março de 1823, ocorreu a Batalha do Jenipapo, em que a tropas do major Fidié derrotaram as forças brasileiras, formadas principalmente por piauienses, maranhenses e cearenses na vila de Campo Maior (Piauí), às margens do riacho Jenipapo. Estima-se em mais de 300 o número de mortos, com centenas de feridos de ambos os lados.

Na sequência, Fidié foi para Caxias, no Maranhão. A Cidade foi cercada pelos brasileiros, houve combates, ele se rendeu e foi preso pelos brasileiros.

Nas primeiras décadas do Império do Brasil a Província foi agitada por movimentos, como a Confederação do Equador e a Balaiada.

Em 16 de agosto de 1852, a capital do Piauí foi transferida para Teresina.

Em 1889, com a República, o Piauí tornou-se um estado do Brasil.

Mais: História do Brasil

 

Historia Piaui

 

Centro histórico de Oeiras, a primeira capital do Piauí, com a Catedral de Nossa Senhora da Vitória, do século 18. Essa é considerada a primeira igreja do Piauí. A Diocese de Oeiras foi criada em 1944. Foto de 1957 (acervo IBGE).

 

Piaui

 

Parnaiba

 

Seculo 19

 

◄ Piauí

 

Mapa Físico Piaui

 

Mapa Piaui

 

O Porto das Barcas, na cidade histórica de Parnaíba.

 

Monumento aos Heróis da Batalha do Jenipapo, em Campo Maior, Piauí. Foi inaugurado em 1974. Acesso pela BR 343, a cerca de 5km da sede municipal.

 

Batalha Jenipapo

 

Turismo

 

Copyright © Guia Geográfico - Brasil, dados histórico do Estado do Piauí.

 

 

 

 

 

 

 

 

História do Piauí

 

 

Josias Bona

 

Divulgação