História do Rio Grande do Norte

 

Estudos arqueológicos mostram que o território do atual Rio Grande do Norte é habitado há milhares de anos. No início do século 16, o litoral desse território era habitado pelos potiguares.

A primeira expedição europeia a chegar na região foi a de Gonçalo Coelho, em 1501. Mais: os Falsos Descobrimentos do Brasil

Nas décadas seguintes, piratas franceses, aliados aos índios, passaram a explorar o costa desse território.

Em 1534, João de Barros e Aires da Cunha receberam essas terras em concessão de D. João III, como capitania hereditária, eram 50 léguas para cada um (na projeção vertical do meridiano de Tordesilhas). Os donatários organizaram uma grande expedição para colonizar suas terras, desembarcaram em Pernambuco, no final de 1535 ou início de 1536, mas na continuação a expedição foi desastrosa. Houve naufrágios e conflitos com os índios, os que sobreviveram abandonaram a região. Anos depois, uma segunda expedição à Capitania foi organizada por João de Barros, também sem sucesso. Os donatários não conseguiram tomar posse da Capitania, que foi revertida à Coroa portuguesa na segunda metade do século 16, após a morte de João de Barros.

Nos anos seguintes, o Rio Grande do Norte continuou a ser explorado pelos franceses, com apoio dos potiguares.

Em 1597, durante a União Ibérica, o rei de Portugal Felipe I (Felipe II da Espanha) ordenou o envio de uma expedição para conquistar e colonizar o Rio Grande do Norte. Foram encarregados dessa missão, o governador da Capitania de Pernambuco, Manoel Mascarenhas Homem, e o governador da Capitania da Paraíba, Feliciano Coelho. Os custos foram bancados pelo governador do Estado do Brasil, na Bahia, D. Francisco de Souza.

No início de 1598, começaram a construir a Fortaleza dos Santos Reis, próxima da barra do Rio Potengi (Rio Grande). A construção inicial foi feita em taipa, com projeto do engenheiro jesuíta Gaspar de Samperes. A Fortaleza foi reconstruída, em alvenaria de pedra, no início do século 17.

Em 1599, foi fundada a Cidade de Natal, a cerca de meia légua distante do porto, na margem direita do Rio Potengi. O dia da fundação é tradicionalmente indicado como sendo o dia de Natal, mas sem documentação que comprove. Também não é certo que a Cidade tenha sido fundada com esse nome. A historiografia a registra também como Cidade do Rio Grande (Albernaz) e Cidade dos Reis (Frei Vicente do Salvador). A participação dos jesuítas foi importante para a pacificação dos índios locais. O padre Samperes também foi o autor do projeto da primeira igreja da Cidade, inaugurada na mesma época, e dedicada à Nossa Senhora da Apresentação.

Em 1633 os Holandeses ocuparam o Rio Grande do Norte. A Fortaleza passou a se chamar de Forte de Kenlen e Natal, de Nova Amsterdã. Os holandeses foram expulsos, em 1654.

A reocupação do Rio Grande do Norte, pelos portugueses, envolveu também o interior da Capitania, onde habitavam os cariris. Os índios revoltaram-se e uma guerra, com os portugueses, foi travada por décadas, até o quase extermínio dos cariris no final do século 18. Os índios sobreviventes integravam missões jesuíticas.

Em 1701, o Rio Grande do Norte foi incorporado à Capitania de Pernambuco. Após a Revolução Pernambucana, de 1817, o Rio Grande do Norte foi desmembrado de Pernambuco. Em 25 de março de 1818, foi criada a Ouvidoria do Rio Grande do Norte.

Após a Guerra da Independência do Brasil, o Rio Grande do Norte tornou-se uma das províncias do Império. Mas, 03 de agosto de 1824, aderiu à Confederação do Equador, liderada por Pernambuco. Revoltava-se contra a Constituição autoritária imposta por D. Pedro I e pelos impostos que eram empregados, em grande parte, para o desenvolvimento do Sudeste. A revolta foi reprimida com grande violência.

Em 2 de fevereiro de 1835, foi instalada a Assembleia Legislativa Provincial do Rio Grande do Norte.

Após 1889, com a República, tornou-se um dos estados brasileiros. O primeiro governador foi Pedro Velho d'Albuquerque Maranhão.

Em 1901 e em 1935, o Rio Grande do Norte foi palco de revoltas reprimidas pelo governo federal.

Em 1909, foi criada a Diocese de Natal. Até então, as paróquias do Rio Grande do Norte eram subordinadas à Diocese da Paraíba.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Natal abrigou uma base militar dos Estados Unidos.

 

◄ Rio Grande do Norte

 

A Fortaleza dos Santos Reis, em uma reprodução colorizada (John Ogilby) da gravura publicada na obra De Nieuwe en Onbekende Weereld: Of Beschryving van America en ’t Zuid-land, de 1671, do holandês Arnoldus Montanus. Trata-se de uma recriação com base em uma obra mais antiga do artista holandês Franz Post (que deixou o Brasil em 1644), publicada na obra de Caspar Barlaeus, de 1647.

 

A Cidade de Natal (Rio Grande), uma das primeiras do Brasil, representada por Albernaz, em 1640. O cosmógrafo português observou que o Rio Grande (Potengi) era um dos melhores do Brasil, em navegabilidade, e que grandes naus podiam navegar pelo rio. Nessa época, a região estava ocupada pelos holandeses.

 

Natal antiga

 

História Rio Grande do Norte

 

Forte Reis Magos

 

Mapa seculo 19

 

Copyright © Guia Geográfico - Turismo no Nordeste do Brasil.

 

Rio Grande do Norte mapa

 

 

Rio Grande Norte Turismo

 

História do Rio Grande do Norte